terça-feira, 25 de novembro de 2014

Fazendo uma Máscara Utilizando a Massa de Papier Mâché


A máscara é um excelente exercício para começar a trabalhar com o papier mâché, pois é simples, fácil, rápida de fazer e uma ótima ferramenta para tomar o primeiro contato.

Através desse exercício você verá a plasticidade e as limitações da massa de papier mâché.

As máscaras são tão antigas quanto a população humana e estão presentes em várias culturas, podendo ter diversos significados. 
A primeira máscara encontrada data de 30.000 A.C.

É um objeto misterioso, tem o misticismo de dar vazão a alegria, tristeza, revelar ou ocultar sentimentos.

No Antigo Egito, eram colocadas nos rostos dos mortos. Isso a gente viu no post a História do Papier Mâché...

Chineses, Africanos, Incas, Indianos, Gregos, Romanos... Muitos povos utilizaram as máscaras como instrumentos em cerimonias religiosas, para diversão, afastar maus espíritos, magia, curas, guerras, rituais etc...

A seguir algumas imagens nos inspirar...


           Indonésia              Africana                      Inca                                                


Japonesas típicas do teatro Noh e Kiogen






















As italianas da famosa Commedia dell Arte


No século XV, rolou o primeiro baile de máscaras em Veneza.
Diz a lenda que isso foi bastante apropriado para poder misturar no salão toda a alta sociedade local com suas divergências e desafetos políticos.  

Hoje as máscaras são uma das atividades econômicas e o souvenir mais característico da região.

E o mais legal disso tudo... A maioria é em Papier Machê....

A máscara esconde o rosto de quem a usa e mostra aquilo que realmente é desejado mostrar... Não é a toa que o fascínio pela mascar no mundo inteiro ainda perdura...

Vamos à ela!


Material:

  • Pode ser uma telha, um cano de PVC bem largo tipo 18mm de diâmetro, uma garrafa PET roliça, tipo a do guaraná, do maior tamanho. Pode ser também uma lata de leite em pó
  • Papel laminado para a telha. No caso da garrafa pet ou do cano isso não é necessário
  • Fita crepe para o cano ou garrafa pet
  • Para fazer relevos você poderá utilizar espátulas, palitos de churrasco, pazinhas de dentista ou manicure ou a ponta dos seus dedos
  • Jornal para forrar o local de trabalho
  • Se for trabalhar com a garrafa ou a telha, é necessário fixa-los na mesa para não ficar rolando pra lá e para cá, comprometendo o trabalho.

Importante: 


Se você optou por uma forma roliça, tipo a garrafa pet, lata ou canos de PVC, será necessário prender essa peça com uma tira grande de fita crepe à mesa: corte uma fita bem grande tira de fita crepe, que prenda na mesa, passe por cima da garrafa ou cano e continue até prendê-la no outro lado da mesa. Prenda quantas tiras você achar necessário. Faça isso até fixar bem o objeto. Ele não pode rolar. Tem que estar bem seguro.

Se for trabalhar com a telha. Envolva-a em papel laminado para protegê-la e fazer com que a massa se solte facilmente.

Modo de fazer:

Pegue um punhado de massa e aplique sobre a telha, ou cano, ou garrafa, de modo que fique com 0,5 cm de espessura. Muito grossa demora a secar. Muito fina pode ficar quebradiça.

Vá espalhando, alisando, modelando.

Essa é a melhor hora! Hora de meter a mão na massa!

L I T E R A L M E N T E !!!!

Utilize os instrumentos que tiver para isso: espátulas (sabe aquela espátula de passar patê na torradinha? São ótimas para alisar o Papier Mâché!), palitinhos de dente ou de churrasco ou a ponta dos dedos, que eu considero a melhor opção, assim você toma intimidade com a massa.



Faça as expressões desejadas: nariz, boca, orelha, chifres, etc...























Ponha seu lado artístico pra fora. Solte os bichos!

Dica: como o nariz exige um relevo maior, vale fazer uma bolinha de papel jornal ou de seda e achatá-la com a ponta dos dedos para ficar triangular. depois cole esse nariz no local escolhido e cubra-o com a massa. Assim a mascara seca mais rápido e fica mais leve. Isso também serve para fazer chifres grandes ou orelhas e queixos muito proeminentes.

Depois da máscara pronta, espere secar de um a dois dias. Eu uso a parte de cima da geladeira, onde ninguém toca e quase ninguém percebe que o objeto está lá.

Isso também faz com que a gente "esqueça" que a peça existe e fique querendo ajeitá-la a todo o momento, muitas vezes atrapalhando a secagem.

É aí que eu falo sobre exercitar a arte da paciência...
Não tem jeito.
Temos que esperar a peça secar para podermos dar o acabamento desejado.

O que podemos fazer enquanto a peça seca? 

Se não lhe veio nada à cabeça, eu lhe falo: outra peça de Papier Mâché!!! JJJ

Máscaras na parede ficam lindas em pares, em trios, misturadas a quadros, fazendo um painel atrás do sofá... Cobrindo uma cúpula de abajur. Coladas em uma tela, formando um quadro... 

Após um dia ou dois, vai depender do calor e da umidade do ambiente, ela estará pronta para ser desenformada.

Você pode estar pensando... Podemos acelerar esse processo? 

Neste caso sim. 

Colocando em forno superbaixo por uns 20 min: 

Desliga, deixa esfriar dentro do forno, verifica e se estiver ainda úmida, ponha mais alguns minutos no forno superbaixo para continuar a desidratação, mas...

Atenção!!! 
Só utilize o forno apenas para o suporte da telha ou lata (de metal), pois o plástico ou papelão não resistem ao calor excessivo...

Após a peça seca, desenforme-a, utilizando as mãos. Apenas retire-a da forma e delicadamente vá soltando o papel laminado, que normalmente fica agarrado a peça.

















Dê o acabamento desejado.

Esta eu fiz uma colagem com guardanapos, erradamente chamada por aí de découpage ou decupagem, mas você pode utilizar qualquer tipo de tinta ou colagem que lhe vier à mente! 
O Papier Mâché é mágico e aceita todo tipo de acabamento: Vitral, purpurina, tinta automotiva, guache, a óleo, mosaico... tudo!


Não é o máximo?

Ponha a imaginação para funcionar e decorar a casa com aquela peça que você queria, mas que não acha em lugar nenhum, só usando o Papier Mâché!


Dúvidas? É só mandar que eu respondo!


Beijos